segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Introdução à Mixologia Molecular - Compreendendo as tendências

Durante a década de 90 vimos acontecer um movimento especial dentro das cozinhas, principalmente as européias, que em pouco tempo foi denominado “Gastronomia Molecular”. Esse movimento, iniciado por Nicholas Kurt e Hervé This, consistia em analisar os fenômenos gastronômicos puramente do ponto de vista químico e científico e as suas possíveis aplicações em busca de uma maior qualidade e sensibilidade de sabores, aromas, texturas e temperaturas.
Logo, acompanhando a tendência da Mixologia moderna, os conceitos da gastronomia molecular começaram a se misturar ao cotidiano de alguns bares e restaurantes consagrados.
Podemos definir a Mixologia Molecular como uma análise química e científica dos acontecimentos mixológicos e as suas devidas aplicações ao universo das bebidas? Acredito que sim.
Porém, muito mais interessante e importante do que a mera aplicação de um procedimento químico (ora, o que não há de ser química nesse mundo?) é o entendimento da formação de pensamento que nos faz acreditar que a mixologia molecular seja tão necessária nos dias de hoje.
Acredito que devemos primeiramente buscar as bases filosóficas em pensadores como Aristóteles e a sua lógica comparativa, em Epícuro e a sua afirmação que só através da ciência encontramos a liberdade da alma e principalmente Descartes em seu discurso do método científico.
Todos esses pensadores construíram para nós (e sequer sabemos), uma série de ferramentas para aplicarmos à Mixologia Molecular. Antes que nos tornemos meramente reprodutores de processos químico-físico, devemos compreender o porque de cada procedimento.
Somente assim será possível criar uma nova cultura de profissionais que buscam o conhecimento como suporte para aplicar suas receitas e alcançar o reconhecimento, ao invés de um barman que utiliza uma seringa, um borrifador, ou um spectrômetro como elementos de marketing.
Preparar uma geléia de Negroni?Sim. Esferas de Mojito?Claro! Pina Coladas em espumas? Por que não?
Mais importante do que a técnica é a aplicação. Mais importante do que a reprodução é a criação.
Em breve, retomarei esse assunto, tentando aprofundar alguns conceitos e desmistificar outros.

10 comentários:

Anônimo disse...

Olá,
acabei caindo aqui no seu blog cara. Sou Barman, e venho criando um site especializado em mixologia. desvendando e inovando no conceito de beber. achei bem interresante o seu conteudo. dificil encontrar alguem que goste do assunto.
parabens!

Gui Mile
gui_mile@hotmail.com

Victor disse...

Olá Marco... li vários de seus textos e me indentifiquei muito com o seu trabalho, moro em Brasília e me interesso muito pela pesquisa em mixologia ddesejo entrar em contato e até mesmo bater um papod no msn quem sabe... meu msn é ato2cena1@hotmail.com aguardo anciosamente

Victor disse...

Olá Marco... li vários de seus textos e me indentifiquei muito com o seu trabalho, moro em Brasília e me interesso muito pela pesquisa em mixologia ddesejo entrar em contato e até mesmo bater um papod no msn quem sabe... meu msn é ato2cena1@hotmail.com aguardo anciosamente

Tony Harion disse...

Realmente acho mais interessante o explorar o “por que” se fazer do que simplesmente copiar técnicas, como você mencionou!
Não sou muito fã do termo mixologia molecular, mas infelizmente esse foi o termo que acabou colando. Independente do nome, a área de interesse é muito relevante.

Marco De la Roche disse...

Tony,
Infelizmente há uma certa distorção do que é a mixologia MOLECULAR e a mixologia..
Uma coisa é uma coisa e outra coisa é ooutra coisa..
Eu acompanho e respeito a Molecular, mas o que me faz feliz é a mixologia...
Um abraço,

luiz disse...

oi marcos tudo bem meu nome e luiz sou barista de belo horizonte. tive a oportunidade de te conhecer no aeroporto junto com meu patrão.e ver o seu trabalho no good. mas não sabia que mixologia era um trabalho tão complexo e minuncioso.tem que fazer varios varios testes para chegar uma conclusão.parabens adimiro seu trabalho.

Gabriel disse...

oi Marco.. sou de Belo Horizonte MG, capital dos bares.. gostaria de fazer um curso com vc, mas não tenho grana para ir ate SP ou RJ.. porque não ministra um curso rapido aqui na capital mineira?.. Trabalho como barmen e adoro o que faço... aguardo vc por cá. Sucesso!

Marco De la Roche disse...

Gabriel, por favor, me envia o seu contato por email para que eu lhe informe de um curso nos próximos meses que será realizado em bh..
aguardo seu retorno, um abraço

Vinny bartender disse...

Marco, sou um ligeiro fan de seu trabalho, sou bartender em bh e estou criando uma especie de liga da justica, so que com os bartenders de bh, nao sei se conhece, mas estou junto com o tiago campeao da grey goose minas, samurai e brasil ex frydays, ja trabalhei em miami e salt lake, navios e pretendo iniciar uma nova tendencia, levando a conhecimento geral infusionados e mixologia molecular, aqui somos bem mal compreendidos pelo mercado que tem seu perfil bem retraido, gostaria de lhe convidar caso apareca por estas bandas para que possamos conversar, e tbm que me avisasse casa haja algum curso por estas bandas, fica tenso pra ir em sao paulo, rio, faco facul dai me mata muito tempo...
viniciushtg@gmail.com
seu blog ta muito foda cara achei topicos incriveis, amei o NUVO
inacreditavel a fusao.
Abrass man

Marco De la Roche disse...

Oi Viny, obrigado pelo comentario.
Conheço o tiago sim.....gente boa demais.
Ainda nao tenho data para ir à BH, mas espero que em breve consiga ir e nos encontramos...
Continue no blog!!
um abraço

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...